segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Dias e horas


Os dias passam, as horas continuam a marcar as mesmas horas do ontem e também do amanhã e, nós, marcando cada momento vivido, sofrido e de pura existência. Vivemos os dias, mas os dias nunca irão viver para nós, seremos apenas existência a existir e conferir cada situação, cada decepção e cada ilusão.

Somos aprendizes pelo eterno sempre, não sabemos, aprendemos com cada transgressão colocada para nós e, assim, os dias passam.

Passamos, ficamos e continuamos para que o próximo dia venha de uma forma diferente, mas a deficiência em compreender passa a ser parte de nós.

Compreender ou entender a vida é impossível, por isso vivo o dia de hoje, a hora, o minuto e todos os segundos e milésimos de segundo, para que quando chegar o amanhã eu não tenha dúvida do que eu vivi no ontem.

Os dias e as horas continuam a passar e eu passo a ser o que a vida me deixa ser.

Ser humano.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Alívio


A vida nos ensina a cada dia e nos dá momentos de alegria que se tornam tristes quando lembramos que o tudo deste momento tem um algo a resolver. Por muitas vezes me senti desta forma e minha alegria não era total. A cada momento de felicidade, existia um outro de preocupação. Parava para pensar o porquê disso tudo e, depois, caía em si, que eu, era o próprio causador, pois, cada um de nós, criamos nossas dúvidas e nossas incertezas.

Tudo que criei pra eu sorrir, foi também o que me fez chorar, quando não tive olhos para equilibrar, a vida quis me mostrar o contraponto, pois o que vivemos nada mais é do que a balança da justiça, quando colocado algo a mais em apenas um lado, isso irá pesar mais do que outro e, este peso, fará  o desequilíbrio que você não esperava pra você.

Nada que vivemos é injusto, pois tudo que criamos são criaturas da nossa criação que alimentamos para nos fazer sofrer, para que um dia, como hoje, possamos aprender.

Aliviado por saber que eu que criei meus bloqueios e dúvidas, mas feliz por saber que pude mudar e também transformar, meus medos, em coragem e, minhas tristezas em alegria.

Aliviei mais um dia.

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Um olhar

Foto: Gui Venturini
 
Eu gostaria que os seus olhos olhassem para os meus e seguissem os mesmos caminhos, eu gostaria de estar de mãos dadas com você para poder passear pelo jardim secreto do amor. Mas hoje, estou com os olhos fechados, pois os seus, não olham mais para mim.
 
Hoje posso olhar para tudo, mas nada poderá fazer que eu enxergue a triste ilusão de não ver o que meus sonhos querem ver, hoje estou cego perante o mundo, estou cego perante a vida.
 
Quero ver, quero olhar, mas meus olhos lacrimejam pela dor do viver que o mundo vive, vejo as pessoas, mas as pessoas não me vêem, todos se cegaram pelo poder e, a vida a viver, ficou para o triste olhar do desamor.
 
Quanta dor virá, quanta frieza existirá e quanta fraqueza reinará em um mundo que só abrirá os olhos para o poder que não terá valor para as pessoas que choram. Eu espero que todas as lágrimas sequem pra ver o sorriso no rosto triste do seu olhar.
 
Olhamos, mas nem sempre enxergamos, por isso choramos.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

De tudo um pouco


Quando nos relacionamos com o ser, aprendemos a ser relacionados com o todo e a ser de tudo um pouco. Um pouco culto, mas também um pouco sem cultura. Um pouco modesto, mas também esnobe.

Experimentamos de tudo um pouco e também somos experimentados para que possamos ser aceitos no contexto imposto pela a sociedade do ser e também do ter.

Ter um cargo, ter um espaço, ter um conglomerado de coisas inúteis para ser aceito no núcleo inútil que vivemos. Ter o que não tem para que os outros possam ter a sua amizade que não seria tão importante se você fosse apenas um ser a ser aceito.

Aceitamos o que impuseram para que sejamos aceitos, mas esquecemos que seremos os mesmos sabendo que não temos nada que o outro possa ter.

domingo, 14 de junho de 2015

Quebra cabeça


Eu estou aqui mais um dia a entender o porque estou aqui. Estou para entender, fazer e acontecer, estou para crer que tudo que vivo não é uma crença para ser entendida. O que vivo é apenas a vivência de todos nós e, todos nós, vivemos para sobreviver.

O que vivenciamos são apenas flashes, são momentos de aprendizado, decepção e ternura, somos apenas peças que se encaixam como um quebra cabeça. A nossa vida é montada a cada dia e, nunca, será terminada. A cada peça descoberta é uma chance de entender o que já vivemos e o que ainda será vivido.

Nesta vida sempre faltará uma peça para ser montada, por isso, quebraremos a cabeça para entender a vida, pois ela, nunca deixará que esse jogo seja montado e muito menos acabado.

Montaremos dúvidas, montaremos pensamentos, mas, nunca, montaremos o entendimento correto que a vida irá montar.
Desmontados somos nós, assim somos nós, uma peça perdida no jogo da vida.

terça-feira, 5 de maio de 2015

Fragilidade


Quando nos pegamos prestes a algo que nos trás o medo ficamos frágeis para que neste momento possa nos trazer a tranquilidade que precisamos. Somos apenas um objeto a ser moldado e neste momento estamos na mão de anjos de Deus.

Tudo ficará nas mãos daqueles que você confiou para que tal ato se realize e que tudo se torne real no pensamento astral que você enviou. Nada será complicado se você está preparado a realizar o que você quis pra você.

Hoje é um dia lindo, tão lindo quanto os outros que você ainda irá viver e já viveu, por isso, viva cada momento, mesmo que esse momento seja um momento de tensão e expectativa, os momentos devem ser vividos sem medo de ser feliz.

Amanhã novamente chegou para que o dia e a vida siga conforme você desejou.

Luz, paz e vida para todos nós.

domingo, 22 de março de 2015

Flores do meu jardim


Lá estão todas elas paradas e embelezando todo o canteiro que era apenas terra, terra que um dia nos deu alimento e hoje é a terra que nos traz novas belezas. O perfume que elas exalam é o perfume que me faz parar, sentar e observar o movimento de cada uma delas. 

As cores das mais variadas e as formas das mais desejadas, são flores que encantam e me faz olhar, parar mais uma vez e, pensar, que todas elas são vida a decorar, presentear e encantar o nosso caminhar.

Eu observo cada um dos detalhes, o tamanho, a cor, a flor, o caule e o deslumbre de uma borboleta que, dê em flor em flor, abraça e leva o condimento para uma outra flor aparecer, vejo as abelhas brincarem em cada uma das pétalas, enquanto isso, um beija flor as beijam e batem as asas para acariciá-las.

O vento é o coreógrafo que faz cada uma dessas flores dançar, é um pra cá e, outro pra lá, é o balé a se formar, é a sintonia da dança e da beleza, das cores e dá sutileza, é a dança do amar e do harmonizar.

As flores estão ali, paradas esperando você passar, para cheirar, colher e entregar para a próxima flor que você irá encontrar. Essas, são as flores, as flores do meu jardim. Cultive o seu e, faça outras flores, novamente florescerem.

Pode ser no vaso, no jardim ou no buquê, são flores, flores a te envolver.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Revolucionários e não mais OTÁRIOS


Cansativo seria eu começar a escrever que vivemos uma fase triste dentro do nosso país e que não acreditamos mais nas pessoas que acreditávamos. A política suja, com políticos sujos, a sujeira jogada debaixo do tapete foi tanta que começa aparecer, mas eles insistem em novamente colocá-la no mesmo lugar. Vou ser sim cansativo horas, sou Brasileiro, mas agora, com menos orgulho de ser, já não acredito mais e não posso mais bater no peito e dizer; eu amo meu povo, meu país.

Estou deixando de amar as cores que tanto eu um dia fiz questão de pintar, pois os que se pintaram já não se pintam mais, acho que eles também cansaram. Os que se manifestaram eram todos "pau mandados" eram os corruptos dos corruptores, eram os "laranjas" que se tornaram bagaço. Meus punhos de aço estão mais duros e mais fortes, mas minha decepção é muito maior.

Eike Batista (filho de Eliezer Batista) e Fábio Luís (filho de Lula) milionários que enriqueceram com o dinheiro nosso, Eike filho do Ex-ministro de Minas e Energia, engraçado o negócio dele era esse, Fábio Luis, filho do Ex-presidente Lula, era monitor de um zoológico e ganhava R$ 600,00 por mês e passou ser um dos empresários mais bem sucedidos de todos os tempos após seu pai virar presidente, que gênio, não acham?

Acho que esses dois exemplos nos mostram o quanto somos OTÁRIOS, o quanto somos enganados e, o quanto somos omissos. A pouco tempo conheci esse texto de Rubem Alves;

Novo slogan político 

'Alguém escreveu num muro branco da Universidade do Porto, em Portugal, a sua exigência política: "Queremos mentiras novas".Quem o escreveu sabia das coisas. Sabia que era inútil pedir o impossível: "Basta de mentiras!". Na política, apenas as mentiras são possíveis. Mas ele já estava cansado de mentiras velhas, batidas, como piadas cujo fim já se conhece, que diariamente aparecem nos jornais. Mentiras velhas são um desrespeito à inteligência daqueles a quem são dirigidas. Que mintam, mas que respeitem a minha inteligência! Mintam usando a imaginação. Por isso escrevia, em nome da inteligência, do possível e do humor: "QUEREMOS MENTIRAS NOVAS". 

Com todo respeito a esse homem que é exemplo na educação deste país, hoje queremos; JUSTIÇA, RESPEITO e VERDADE, queremos o que merecemos como cidadãos Brasileiros, que pagam impostos absurdos, que trabalham e que merecem ser respeitados por aqueles que nos governam.

Chega de inverdades, de maquiar a podridão atrás da política, de empresários que financiam a bandidagem, queremos RESPEITO e queremos que nos devolvam o que é nosso e, o que é nosso, não é o dinheiro que foi roubado de nós, mas sim, a nossa dignidade.

Sejamos dignos de nos manifestar como esse manifesto, sejamos dignos de usar a rede social para cobrar e não para mostrar hipocrisia, vamos dizer bom dia para nossos políticos e dizer que não somos mais OTÁRIOS, vamos mostrar que esse país está quebrado, está destruído e pronto para ir pro buraco.

Sejamos revolucionários e não mais OTÁRIOS.

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Meu silêncio



Quando me silenciei foi para que as palavras que chegaram até mim não se propagassem e não retornassem de uma forma ofensiva. De todas as palavras que ouvi me tornei calado para que o meu silêncio falasse por mim.

Silenciar é ouvir o grito de socorro de todos que querem falar, mas o grito de cada um que quer ser ouvido, se torna mudo aos ouvidos do silêncio. A minha inquietude irá falar para todos ouvirem e a cada gesto meu será poesia para os ouvidos de quem sabe ouvir.

Palavras não tem medidas, mas o tom sim, o entendimento não está no volume e sim de como as palavras são colocadas e dirigidas.

O silêncio por muitas vezes fala o que os ouvidos não querem ouvir.


quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Quando a luz se apaga

Foto: Fabrício Fernando

A luz estava acesa, brilhante e irradiante, iluminava o meu caminho, fazia que eu seguisse o longo caminho para te encontrar. Em um belo dia a luz se apagou e fez que minha visão não enxergasse o próximo passo, fez que eu parasse e ficasse a pensar para onde eu iria e qual caminho deveria seguir.

A escuridão vendou meus olhos e fez que eu não conseguisse enxergar um palmo a frente de meu nariz, fez que eu ficasse parado no relento ouvindo o vento e sentido o cheiro da relva a molhar as folhas que ali a natureza deixou.

Pelas as frestas das árvores eu consegui ver os raios que a lua trazia para mais uma noite fria, de luar irradiante e estrelas brilhantes.

Eu estava parado tentando enxergar meu novo caminho que trilhava em meio das árvores, eu tentei seguir, mas meus passos me fez parar para pensar mais uma vez para qual o caminho deveria caminhar, seguir ou sonhar.

Outra vez vi o dia escurecer e a noite a chegar e vendar meu olhar, minha visão ofuscou os sentidos do meu coração que já não mais sabia para onde me levar, estou parado ouvindo o sussurro das cigarras e o grito dos grilos, não vejo mais nada, só ouço meu coração bater na escuridão que a lua e as estrelas tentam iluminar.

Estou aqui parado pensando e esperando a luz novamente acender, mas a escuridão continua a esconder meu caminho, não vejo mais as mesmas paisagens e nem a flor que tanto desejo, vejo apenas o campo seco a não mais brotar, pois não sou mais o adubo que faz desabrochar.

A terra irá secar, pois a luz não irá voltar para fazer flores nascer, o que era verde ficará pardo e tudo que um dia era colorido ficará negro na escuridão que vivemos. Eu ficarei no escuro esperando novamente o sol nascer e trazer a beleza e a luz que faz tudo novamente crescer e acontecer.

No universo que vivemos, existe mais luz do que podemos imaginar, só vive no escuro aquele que apaga a luz.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails