terça-feira, 24 de julho de 2012

Grandes castelos da bola


O país da “bola da vez” que sempre foi reconhecido pela bola que nem sempre esteve em nossos pés, bolas que são dadas a todos os especuladores que querem colocar a mão nesse time chamado Brasil, o país do futebol.

O país de todas as raças, das crenças e da solidariedade, o país que está com a bola toda e hoje prioriza investimentos aos castelos dos reis da bola. É tanta bola que ficamos embolados, afinal, a distribuição deve estar sendo bem feita e haja bola para jogar.

Grandes castelos passam a ser construídos e enquanto isso, cortamos verba da saúde e nossa campanha da fraternidade deste ano tem o tema de; Fraternidade e Saúde Pública, será que moramos no mesmo país ou existe dois Brasil? Pra quem entende de crescimento, isso representa o crescimento, ou seja, após a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, dizem que o Brasil terá um avanço ainda maior, mas eu, como não entendo de crescimento e nem desse tipo de evolução, posso dizer que iremos quebrar, calma, eu não entendo disso, por isso, não fiquem preocupados, afinal vai ter campo de futebol, e isso, que importa no país dos craques.

Enquanto isso , a bola rola e assistimos nos teles jornais a evolução do “craque” no Brasil, esse “craque” não é o da bola, mas sim, os que pedem para dar uma bola em uma pedrinha, aquele que rouba para saciar sua fome de bola, esse “craque” não joga mais é jogado e julgado por todos cantos, mas afinal esse é o país do futebol que em cada esquina tem um “craque” ou não? “É preciso mudar.”

Mas como nosso país não vai nem MAR e nem BEM vamos em frente porque os “craques” no país da bola e das celebridades viraram cantores e lotam estádios mais do que os próprios artistas da voz, precisamos rever alguns conceitos, pois, se jogadores estão enchendo estádios, a nossa música deve estar um fiasco ou não?

Nossa, nossa...assim você me mata...eu não!!!

Quem anda matando e sumindo com os corpos são os craques, afinal, os caras são “animal” jogam um bolão e se defendem muito bem no país da impunidade, mas a “cachoeira” de corrupção não há de acabar, pois dizem que essa água nunca vai secar e quem ainda não bebeu, irá um dia experimentar, será?

Não sei, pois essa bola está quicando para todos os lugares e logo mais ninguém mais será o dono dela, e isso, é preocupante, enquanto levantamos verdadeiros castelos da bola os “craques” faturam milhões, os artistas da bola, bilhões, e o médico que salva vidas, estuda seis anos precisa jogar em todos os times para poder fazer um salário digno e que faça jus aos seus estudos, mas vamos deixar prá lá porque o papo agora são as eleições para prefeito e vereadores, então agora tem, jogo de camisas para o seu time do bairro, churrasco no final do jogo e bola pra todo mundo, afinal o voto é um direito de todo “cidadão” e a partir dos dezesseis anos, não é? Menores votam, só não respondem pelos seus atos, mas podem votar, mas não tem problema não, amanhã tem futebol.

Antes de encerrar, duas perguntas para você responder e pensar;

1-Qual a primeira roupa que pais e avôs dão aos seus filhos e netos?

2-Qual o primeiro brinquedo que pais e avôs dão aos seus filhos e netos?

Entendeu porque somos o país do futebol?

“É preciso mudar” não só a lei para usuários e traficantes, “é preciso mudar” nossos conceitos como cidadãos primeiro para depois mudar as leis.

Luz, paz e sabedoria para todos nós.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Campeão ou não, tu és o Timão!

O mais novo Corinthiano Campeão da família. Bruninho, meu sobrinho.

Um bando de loucos, de alucinados, de torcedores que respiram Corinthians, um bando de pessoas que são julgadas todos os dias pelos os torcedores dos outros times. Ser Corinthiano é difícil, fácil é vestir a camisa todos os dias mesmo sendo derrotado. Torcer para o Corinthians, não é apenas torcer, é vibrar, é gritar, é sofrer até o ultimo minuto. Torcer para o Corinthians é ser Corinthians todos os minutos, segundos e milésimos de segundo e não só os 90 minutos a partir do primeiro apito.

Esse bando de loucos chegaram invictos a final da Libertadores, criticados e desafiados todos os dias esses guerreiros lutaram, foram gladiadores e mostraram que dentro da sua arena quem manda são os donos da casa, independente de vitória ou não, pois existe um bando de loucos gritando. Eu sou Corinthians e nunca vou te abandonar.

Negros e Brancos torcem e honram as cores do seu time, Negros e Brancos se misturam e formam uma multidão com um só refrão; Timão e ô, timão e ô. Esse bando de loucos estão em todos os lugares, estão em todos os corações, pois Ronaldo, é fenômeno, é Corinthians, e também é paixão mundial e nacional, experimentou jogar nos melhores times do mundo, mas se apaixonou pela melhor torcida do mundo. Nenhum time do mundo irá sentir a sensação de ter doze jogadores em campo, mas o Corinthians sim, o décimo segundo jogador é um bando de loucos, nenhum torcedor de outro time irá sentir a emoção de ser Corinthians, porque pra ser Corinthians tem que ter DNA Preto e Branco, tem que entender que todos nós somos iguais perante uma sociedade e que esse bando de loucos irão continuar gritando, independente de vitória ou derrota, porque nós somos Corinthians, e quem mais valoriza nosso time, são vocês torcedores dos outros.

Hoje o dia amanheceu preto e branco, apesar, que existem mais cores no mundo do que o preto e branco, mas nós predominamos, porque hoje e sempre terão um bando de loucos gritando...

Salve o Corinthians, campeões dos campeões...

Esse texto é dedicado ao bando de loucos, amigos, meus filhos, meus irmãos e ao meu Pai, que foi e sempre será louco por ti Corinthians.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails