quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Sem compromisso



Hoje é o dia que reservei só para mim, não quero compromissos e muito menos tarefas, quero poder abrir a porta de casa e sair. Hoje quero andar descalço no chão de terra molhada plantar meus pés no chão e sentir todo o amor da nossa terra.

Hoje vou correr em um campo de girassóis e vê toda a beleza que a natureza pode me proporcionar, mas também quero gritar, gritar para apenas eu ouvir, eu quero poder me ouvir e eu preciso me ouvir, eu quero sentir o vento batendo em meu corpo, quero sentir a chuva molhada acariciando o meu rosto, hoje vou me encharcar com toda essa água que o planeta pode me dar. Hoje quero dizer obrigado, quero amar ainda mais o necessitados e quero encontrar você para poder te abraçar e te dizer; que saudade.

Hoje o dia não vai acabar, vou subir em uma goiabeira e vou me deliciar com uma ou duas frutas, sei lá, vou comer quantas eu quiser, vou deitar na sombra desta árvore e vou cochilar, hoje não tenho compromisso com ninguém, só tenho compromisso com você meu amigo que está junto comigo e juntos vamos deixar o dia nos levar. Hoje quero alcançar as nuvens e o meu maior desejo é poder tocá-las, quero poder segurá-la na minha mão como se fosse um chumaço de algodão.

Hoje voltei a ser criança deixei as responsabilidades em casa e vou brincar até o por do sol chegar, quero ver uma noite estrelada e não quero voltar, só quero sonhar e quero que você sonhe também. Hoje tudo eu posso, estou livre para pensar, para gargalhar e para viajar, mesmo se for só em pensamentos.

Hoje quero olhar nos seus olhos e dizer que tenho todo o tempo do mundo pra você, não vou participar de nenhuma reunião, a minha união hoje é com você. Venha comigo fazer um dia diferente, hoje podemos estar juntos e sem compromissos. Estou cansado de horários, estou cansado de atender o celular, estou cansado de me conectar com o mundo, hoje eu quero estar livre.

Hoje eu não quero pensar em crise ou muito menos na minha conta bancária, hoje eu quero pensar que posso estar em todos os lugares e não preciso de carro, ônibus, navio ou avião. Hoje eu quero unificar os povos, as cidades, os países, hoje quero todos os seres humanos juntos, na mesma igualdade e na mesma sintonia.

Hoje eu posso sonhar e devo sonhar, eu tenho esse direito, você não pode me impedir de sonhar, esse será o meu mundo onde você não poderá entrar, você quer me programar, mas eu não vou deixar, hoje é o meu dia e hoje tudo eu posso e o melhor, sem compromisso.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Planeta Ventre


Lá estava eu, no meio de uma tremenda confusão. Quando habitava o Planeta Ventre regido pela minha mãe tudo era mais fácil. Depois de ter passado rápidos nove meses fui expulso e passei a viver no meio de uma enorme confusão, passei a viver no planeta regido por outra mãe, a Mãe Terra que ninguém a respeita e assim aqui estou.

Tento entender o que estou fazendo aqui, pois no Planeta Ventre era tudo mais fácil, comia, bebia e estava muito bem protegido, quando queria chamar a atenção, lá ia um chutinho na barriga e minha mãe sorria, que coisa engraçada, eu batia na minha mãe e ela continuava me amando ainda mais, que estranho!!! Minha mãe é esquisita mesmo, ou melhor, toda mãe é esquisita, essa esquisitice vem de onde, ou melhor, as mães são seres normais?

Acho que não, mães são parecidas com polvos, não? É sim, elas tem mais que dois braços, só vemos dois, mas elas tem pelo menos uns seis braços a mais e virtuais, engraçado, mãe é esquisita mesmo. Além disso, consegue entender todos os códigos que aprendi no Planeta Ventre, eu que me achava estranho passei achar a minha mãe muito estranha.

No Planeta Ventre eu vivia em uma cápsula cheio d´água onde recebia todos os nutrientes que precisava por um cordão e toda a paixão da minha mãe eu sentia que vinha do seu coração, loucura ou não assim era o meu e o seu planeta. Quando cheguei aqui passei a viver com meus outros irmãos que na verdade nem sabem quem são. Parecido ou não o Planeta Ventre é redondo e a Terra também, como a Terra é o Planeta Água o Planeta Ventre também é, então deve ser por isso que vim viver aqui, não sei, você sabe?

É uma relação um pouco complicada, mas deve ter algum significado, não sei quem pode responder tudo isso, deve ser só você mãe, mas por aqui estou aprendendo e tentando sobreviver, pois os meus irmãos que vieram do mesmo planeta não respeitam esse e assim eu fico sem saber o que fazer.

Não sei se devo, mas quero voltar, será que poço? Acho que não, estou muito grande, acho que não caibo mais na minha cápsula, mas também seria injusto com minha mãe, pois ela já está com uma idade avançada e eu seria um peso na vida dela, ou melhor, na barriga dela. Apesar quê, alguns filhos mesmo não estando na barriga da mãe se tornam um peso, mas para mãe um filho nunca é um peso, epa!!! Acho que minha mãe escreveu esta ultima frase...porque mãe é mãe, sempre está pronta pra ajudar o filho, mas o filho nem sempre está pronto para ajudar a sua mãe, eta...coisa difícil é ser mãe, meu Deus, por isso que mãe é esquisita mesmo, foi preparada para suportar dor, dar amor e ser um planeta, onde fabrica seres que ainda estão para nascer, mas sem saber o que vai ser.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Somos todos diamantes brutos


Diamante Letseng Legacy, de 493 quilates (Foto: Reuters)

Valiosos e lindos, de brilho intenso e beleza exuberante assim são os diamantes, uma pedra dura, a pedra mais dura tirada da natureza e que depois de lapidada se transforma em beleza e riqueza.

A pedra bruta quando in natura não tem valor, mas depois de lapidada se transforma em desejo, assim somos nós, nascemos brutos e passamos a ser lapidados durante toda nossa vida.

Paramos para pensar que a vida nos lapida, deixa-nos a cada dia mais valioso perante as pessoas, perante a nossa alma. Mesmo com problemas, dificuldades, a falta de emprego e a traição, isso nos ensina e nos lápida, isso acontece a cada dia, sempre estamos sendo lapidados e não percebemos.

Todos os dias aprendemos a lidar com tudo e com todos ao nosso redor, aprendemos a sorrir mais e a se entristecer menos, aprendemos a dar valor em pequenas coisas que não são tão valiosas e nos tornarmos pedras valiosas, duras em relação á vida e brilhantes em relação ao amor.

Quanto mais brutos somos, mais precisamos ser lapidados, ou seja, quanto mais duro, mais machucados seremos. Essa é uma relação natural da vida, quanto mais rude você for, mais sofrimento você vai ter e assim você pode brilhar ou se apagar.

Como a pedra é muito grande e tem muito valor, então ela é dividida em pedacinhos, esses pedacinhos mesmo pequenos continuam sendo diamantes, e nós durante nossa vida precisamos nos dividir em pedacinhos também, mas os nossos pedacinhos são pedacinhos de amor, divida seus pedaços e coloque em cada ser humano um pouquinho de você, pois mesmo aos pedaços seremos fortes e valiosos.

Muitos pensam; como posso ser valioso no fim da vida sendo que não tenho mais forças e muito menos beleza, em mim está tudo caído e tudo enrugado? Pois é meu amigo, aí que está o segredo, a vida foi lapidando você e você muitas vezes não quis entender e assim foi se machucando e hoje está cansado, cheio de marcas e por isso não se acha valioso? Engano seu, pois você quando pedra bruta era feio e enrugado, hoje és mais valioso do que pensas, pois está preparado para brilhar e iluminar o céu, pois fez a sua parte, aprendeu com a vida e venceu.

És brilhante e valioso, bruto e exuberante, lindo e apaixonante.

Pedra bruta não tem valor, pedra lapidada sim.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Rock in Rio – 25 anos



Não poderia deixar passar em branco um evento que marcou o nosso país, há vinte e cinco anos atrás acontecia à primeira edição do Rock in Rio. Em 1985, eu era apenas uma criança de sete anos, mas com o rock and roll correndo nas veias, acompanhava os flashes que apareciam na TV e acredito que foi um dos incentivos para eu começar a gostar do bom e velho rock and roll.

Não esqueço a vinheta que dizia; uou uou uou uou uou Rock in rio!!!

Acredito que ninguém esquece o jingle que foi criado pela banda Roupa Nova e virou hit em todo o país. Em 2001 tive o prazer de estar presente e foi um momento mágico, lembro-me que na época trabalhava em uma afiliada da Rádio Jovem Pan em Araraquara e foi através de uma promoção criada na época que consegui levar 40 ouvintes e claro, garanti a minha ida, um dia especial que está registrado na minha mente até hoje.

O meu dia no Rock in Rio foi o dia 14 de janeiro de 2001, dia que o Carlinhos Brown foi alvejado por garrafas plásticas, juro que não taquei nenhuma, mas estava lá!!! Neste dia começamos com Pato Fu, Carlinhos Brown, Ira & Ultraje, Papa Roach, Oasis e Guns N´ Roses, além das tendas alternativas.

Posso dizer que foi uma experiência maravilhosa que ficará registrada por toda vida e como na época todos diziam e na minha opinião foi uma grande sacada, posso dizer;

“EU FUI”

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Filtro Solar

Fazendo uma auto-reflexão eu acho que os efeitos do sol da passagem do ano iluminaram os meus pensamentos e fizeram eu lembrar do belíssimo texto “Filtro Solar”, acredito que você já tenha visto este texto que foi transformado em vídeo pela agência DM9DDB, mas se não viu, esta é uma oportunidade para ver e refletir sobre nossas atitudes como ser humano e já que estamos no começo do ano, seria uma boa hora para fazer isso.

O nome original é Sunscreen, este filme foi produzido em 1999 pela agência DM9DDB, pelos parceiros de criação Erh Ray e José Henrique Borgui. A idéia para o "comercial" veio de um texto lido por um orador em uma formatura nos EUA no ano de 1997.

O belíssimo texto foi publicado no jornal The Chicago Tribune e circulou o mundo através de e-mails e acabou chegando até Ray e Borgui.

A dupla transformou o texto em um vídeo extremamente emocionante e bem produzido, com imagens do cotidiano editadas em formato vídeo-clip. É uma produção maravilhosa que conta tanto com a narração do famoso texto como com uma trilha sonora fantástica.

E o resultado final deste comercial institucional é de arrepiar, não se fala de empresa, não se vende nada, fala do ser especial que é você, ou melhor, todos nós. São palavras, sentimentos e pensamentos que, se seguidos, podem tornar a vida muito melhor e mais divertida. Com poucas preocupações e sem stress.

A narração no Brasil foi feita por Pedro Bial, confira.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Encontrei Jesus


O Rastelo

No começo de 2010, o encontrei e por incrível que pareça na Praia Grande no litoral paulista, lá estava eu em pleno Domingão junto com a família em plena harmonia curtindo e aproveitando o último dia de praia, cervejinha, petiscos, caipirinha e muito sol, então...vamos aproveitar antes de voltar aos afazeres normais do dia-a-dia.

No meio daquela multidão de turistas percebi um senhor rastelando a areia da praia, insistente em seus afazeres desenhava com seu rastelo e tirava a sujeira, eu sentado batendo papo passei a reparar ainda mais neste senhor que com o sorriso no rosto não se cansava de rastelar, movimentos lentos, parecia que ele dançava, de lá pra cá, de cá pra lá, assim a sujeira ele ia tirando. Por um momento achei que fosse um funcionário da prefeitura da cidade limpando, mas não, o senhorzinho que ali estava, limpava por vontade própria, não resisti e passei a fotografar os seus movimentos singelos e de cuidado com a areia. Neste momento levantei e fui até ele perguntar o seu nome e o que ele estava fazendo, então recebo um sorriso dizendo; meu nome é Jesus, limpo a areia por que gosto, não ganho nada com isso, apenas cuido.

Me interessei ainda mais em Jesus e passei a perguntar; o senhor é nascido aqui? E ele me respondeu; não, sou de Feira de Santana na Bahia, pois o seu boné não negava, estou aqui desde a década de sessenta e minha vida é essa; capinar, rastelar e cuidar, trabalho numa escola de deficientes aqui em Praia Grande e de final de semana eu rastelo a areia e faço companhia para minha “fia” que tem aquela barraquinha ali.

E assim conheci Jesus um senhor de corpo curvado, sorriso estampado, aparentando mais de sessenta anos, mas ali, firme e forte, cuidando da sua areia com todo o cuidado, não estava reclamando, estava limpando toda a sujeira que ali nós (turistas) deixamos.

Jesus é mais um exemplo de ser humano que deve ser divulgado, bem diferente do qual nos foi mostrado, mas em punho com seu cajado, ou melhor, com seu rastelo prepara o caminho do qual será pisado.

Jesus da Praia Grande é imenso como o mar e grande na forma de amar.


Pose para dançar


Sincronismo Perfeito


Levesa em seus movimentos


Abraçando Jesus

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails